Crítica de livro | Querendo ser Elvis

Olá, meu bom leitor.

Hoje trago minhas impressões sobre o livro “Querendo ser Elvis” do autor nacional Frank Engelbert.

O livro conta a história do vocalista da banda de rock curitibana Desistentes, conhecido como BJ. Após viver o auge da carreira e começar a decair por conta de casos com drogas e affairs mal resolvidos, BJ acaba, com a ajuda de seu empresário, forjando sua própria morte assim como Elvis.

E é nesta pegada, que o livro começa de forma muito bem humorada mostrando o BJ vendo seu próprio funeral. Porém não se engane com a pegada mais descontraída do início deste livro, pois ao longo das páginas somos apresentados a questionamentos muito profundos e totalmente atuais.

Os capítulos são intercalados entre o presente de BJ enquanto forja sua morte, o passado na faculdade enquanto monta a banda com o seu amigo Max, e postagens do blog do fã clube contando sobre significados de letras da banda e até versões sobre acontecimentos dos integrantes da banda. A estrutura, no geral, tanto na intercalação dos capítulos como de seus conteúdos, ficou montada de uma forma de dar inveja em muito livro editado por grandes editoras, e vejam bem, aqui temos um autor que optou por uma publicação independente.

A construção dos personagens, são na minha opinião a grande responsável por deixar a leitura agradável e empática. Não temos personagens totalmente bons e muito menos personagens totalmente ruins, até mesmo um personagem que ocasiona uma série de infortúnios para o protagonista da história, tem suas motivações, o que o torna mais real. E este fator de passar um personagem real para o leitor, é onde a maioria dos autores, principalmente os nacionais erram. Acabam focando em tramas complexas, arcos narrativos longos e cheios de penduricalhos descritivos e deixam a construção dos personagens a margem tornando-os fracos. Para a minha sorte ao ler “Querendo ser Elvis” fiquei mais do que satisfeito em ver personagens bem desenvolvidos.

O arco narrativo da história não traz muita novidade, é um arco linear sem grandes desvios, ou seja, o personagem principal é motivado a agir, este ato cria consequências que são levadas para um desfecho esperado. O fato do final do livro ser previsível, (no meu caso eu descobri, mas isso não quer dizer que irá acontecer com você) não faz dele um livro ruim, pois aqui vemos na prática a verdade da frase: o ato de contar a história é tão importante quanto ter uma história boa. O autor consegue te pegar pela mão e ir te guiando entre um capítulo ou outro, e te fazer criar aquele sentimento de que precisamos saber mais a fundo quem é BJ.

Um ponto fraco do livro, e isto digo de forma técnica não do ponto de vista pessoal, é a forma com a qual Frank Engelbert decidiu fazer a construção narrativa. Ele optou por contar a história de acordo com o ponto de vista do personagem principal, então o grosso da história é contado a partir de onde BJ está, o que BJ vê e com quem ele se relaciona. Acontecimentos importantes que são desenvolvidos paralelamente ao período que BJ fica escondido, por exemplo, são apresentados ao leitor no último terço do livro, e apresentados como relato e de forma rápida. Eu sou da linha que, quando necessário, a narrativa deve mostrar tudo o que for possível ao leitor, porém com este estilo ficamos sempre com a perspectiva de um único personagem, o leitor perde passagens que seriam interessantes saber como de fato ocorreram.

Para finalizar, posso dizer com toda sinceridade que lerei mais obras de Frank Engelbert, pois ele possui outros livros. Com “Querendo ser Elvis” fui apresentado ao trabalho de um escritor que sabe muito bem a maior premissa de seu ofício, que é saber contar uma história que te faça querer continuar a ler.

Sinopse

“BJ é o vocalista da banda de rock Desistentes, que ele e Max formaram quando ainda estavam na faculdade. Porém, a busca pela fama acabou fazendo os dois seguirem caminhos diferentes.
Depois de conseguir o sucesso que sempre sonhou, BJ enfrentou um período de decadência, fruto das escolhas que fez durante sua carreira.
Para abandonar tudo em grande estilo, BJ decide fingir sua própria morte com a ajuda de seu empresário.
O que ele não poderia imaginar era que erros do passado atrapalhariam um pouco seu plano de querer ser Elvis.”

Livro: Querendo ser Elvis
Autor: Frank Engelbert
Editora: Independente/Amazon
Posições: 4035

Capa: 9,00
Continuidade: 9,50
Personagens: 10,00
Cenários: 8,50
História: 9,00
Narrativa: 8,50
Diálogos: 9,00
Revisão: 8,00

Nota Final: 8,93 – Muito Bom

Tenha um ótimo ponto para ler!

Você irá gostar de ler também:

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *